segunda-feira, 30 de outubro de 2006

AFECTO

Mesmo que insistam
Que eu caia em lodo
Embriague-me na tristeza
Seja cruel tal qual
ferroada de uma abelha,
Mesmo que eu saiba
Que distante condenam-me
Por não possuir bago que destrói,
Recolho-me ao silêncio
Vagueando entre pétalas de lágrimas,
Lamentos íntimos do meu eu.
A tristeza que tanto afugento
Desagua sem pedir licença.
Forças quase exauridas,
Insistem em saber
O que querem de mim?
Já dei-lhes o meu perdão,
A minha indiferença,
O meu amor,
Nada quiseram!
Se não têm capacidade
De sentir felicidade,
Desagúem suas dores
noutro jardim,
Nem tentem matar-me
Com o vosso fel envenenado,
Mesmo rolando em lágrimas
Repouso a borboleta
que paira em meu jardim,
Quieta, mansa, sedosa
Tal como o afeto
Que conduzo dentro
de mim.



Nenhum comentário:

**A MINHA MÚSICA**



ñ